O Misantropo Enjaulado

O optimismo é uma preguiça do espírito. E. Herriot

Thursday, December 28, 2006

A Ilusão Que Alimenta

.
Tão enganador é procurar obter a receita mágica da constância do deleite e da ditosa imutabilidade, como a esperança que se deposite neste Mundo para melhorar os nossos estados de espírito, ou nas nossas capacidades para melhorar o Mundo. Aplicar as forças da nossa volição, seja na conquista de um estado edénico,
seja na espera de um prémio sonhado, acabará sempre mal, pois quando o desejo se transforma em obsessão, transbordando dos momentos concretos que são o seu campo de eleição para objectivos que, pelo seu gigantismo, não podem deixar de ser abstractos, virá sempre a desmascarar-se como hipérbole de si, construída
sem a solidez ou o mínimo de cálculo. O que levará a desabar todo o projecto arquitectado, essa diferenciação extremada do real face ao sonhado, imposta a cada passo não só pela desilusão, mas também pelo alimento ininterrupto que, até certo ponto, foi o querer, enfardando em vez de nutrir e impedindo a digestão. Porque no seu princípio estava, de facto, o seu fim. Embora não no sentido que se pretendeu.
De Ronald de Carvalho:

DESTINO

Ainda menino, disse-me, um dia,
A voz oculta do coração:
"Terás da terra tôda a alegria
Na tua mão"

Ah! Duro engano, quem o diria!
Louco de espanto, de inquietação,
Só vi tortura, melancolia,
No mundo vão...

Ouve criatura de alma inocente,
Ouve e medita, porque não mente
Quem isto diz:

Na vida cheia de falsidade,
Só quem deseja a felicidade
Não é feliz...

Os Ingredientes plásticos: «Destinos Diferentes»,
de Pascale Bellot;
«Desejo», de Marty D. Ison.
e
«O Jardim da Melancolia», de Mike Worral.

5 Comments:

  • At 3:34 PM, Anonymous Mancha Negra said…

    A cortina teatral no Jardim da Melancolia faz de nós os espectadores do homem que espreita interiores por descobrir, a função da poesia, para muita gente.

     
  • At 5:54 PM, Anonymous Anonymous said…

    Querido Paulo
    Mas quem diz que se está à espera de um prémio?
    A felicidade sou eu que a faço, pelo menos a minha. Se eu estiver feliz, farei tudo para que os que estão à minha volta também o sejam, e assim sucessivamente.
    Pois claro que se melhora o Mundo.
    Isto não é um salve-se quem puder! porque se fôr o Mundo piora.
    Digo eu, Penso eu.
    Beijinho

     
  • At 9:12 PM, Blogger Paulo Cunha Porto said…

    Meu Caro Mancha:
    Uma definição... poética. Se essa melancolia estava já, em semente no íntimo do que buscou, ou se foi introduzida do exterior, eis a questão.

    Querida Marta:
    Não sei é se jogar-se todo nessa hipótese de ausência de dor não obrigará a uma derrota, à derrota, em suma.
    Beijinho e abraço.

     
  • At 11:59 PM, Blogger Viajante said…

    Ah... quantas vezes «no seu princípio estava, de facto, o seu fim»! Todavia, discordaria da aplicação «a esperança que se deposite... nas nossas capacidades para melhorar o Mundo» - :)
    Qual Mundo? Ou melhor, que Mundo? E mesmo que a Maiscúla seja indicativa, que dimensão do Mundo?... e se nada pudermos em nenhum dos mundos, o que supre o sentido da finalidade?

    só interrogações, vejo! mas é delas que se parte, pois é? ou a elas se chega, certo?

    Boas Festas, Misantropo, cheias de calor e de alegria...

    b & r

     
  • At 10:59 AM, Blogger Paulo Cunha Porto said…

    É sem dúvida de interrogações que se trata, Oh Excelsa Viajante! E a mais indagante delas não será - cá vem outra - a da condenação apriorística ao infortúnio daquele que sente a necessidade de procurar uma totalidade que julgue contentar?
    Beijo, por uma vez também uma interrogação.

     

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home

 
">
BuyCheap
      Viagra Online From An Online pharmacy
Viagra